As anotações que fazemos durante as aulas ou enquanto estamos lendo um livro ou apostila são muito importantes para nos ajudar nos estudos. No entanto, algumas pessoas não sabem como fazê-las e acabam acumulando informações desnecessárias ou que não agregam valor na hora de estudar.

Pensando nisso, vamos ensiná-lo neste post 8 formas de criar anotações produtivas. Confira!

1. Ler e reler a matéria antes de anotar

Quando lemos um texto pela primeira vez, não somos capazes de absorver toda a sua ideia central, nem os detalhes mais importantes. Por isso, é importante uma segunda leitura, para que você se atente às informações mais específicas.

Para criar anotações produtivas, a dica é fazer uma primeira leitura do texto, apenas para conhecer o seu conteúdo e entender do que ele se trata. Depois, em uma nova leitura, você deverá fazer as marcações dos pontos mais relevantes, sublinhar os trechos mais interessantes para a matéria e, realmente, absorver o conhecimento que o texto tem a oferecer.

Com as duas leituras realizadas, você estará apto a elaborar as suas próprias anotações, certo de que conseguiu compreender tudo o que leu.

2. Inserir comentários, não só sublinhar

Para um esquema de estudos eficaz, você não deve só ler e sublinhar os pontos mais importantes da matéria. É preciso passar para o papel aquilo que você aprendeu.

A memorização e a fixação das informações são mais eficazes quando são feitas por meio de comentários e anotações. Isso é, quando eles são inseridos nas páginas dos livros e apostilas que você usa para estudar e da reescrita da matéria em resumos ou esquemas.

Ainda é possível acrescentar dados e detalhes importantes que não estão presentes no texto. Outra ideia é reduzir grandes parágrafos em pequenas frases, capazes de resumir a ideia central do trecho destacado, para facilitar os seus estudos.

Você também pode inserir os comentários na hora de revisar a matéria. Ao reler as suas anotações, livro ou apostila, você pode acrescentar novas informações que até então não conhecia, ou tentar reescrever, com outras palavras, aquilo que você já estudou e pretende fixar.

3. Fazer anotações aos poucos

Nada de tentar estudar um livro inteiro ou revisar todo o conteúdo do semestre de uma vez só! Separe a matéria por capítulos ou títulos e crie as suas anotações aos poucos, sem pressa. Assim, você poderá se dedicar com mais firmeza ao assunto em pauta e não correrá o risco de perder algum detalhe importante.

Quando dividimos nossas tarefas, conseguimos realizá-las com mais empenho e dedicação. Então, anote a matéria aos poucos, revise tópico por tópico e absorva, gradualmente, as informações que você precisa aprender.

4. Focar em um objetivo definido

O foco em um objetivo definido deve ser feito em dois momentos distintos: na leitura de um texto ou durante uma aula. A princípio, defina um objetivo para a leitura do texto ou para a aula que você está assistindo. Você está entrando em contato com este conteúdo para fazer uma prova específica? Ou para um trabalho?

Ciente das suas intenções, você terá um novo olhar para o conteúdo que pretende aprender e focará nas questões importantes para o objetivo que definiu previamente. Ter o objetivo claro em mente também te ajuda na fixação do conteúdo do texto que você leu ou da aula a que assistiu.

Se você vai prestar uma prova de faculdade, por exemplo, é interessante que mantenha o foco no tipo de questões que o seu professor costuma cobrar. Se já sabe que ele tem o hábito de cobrar questões dissertativas ou de múltipla escolha, poderá fazer anotações voltadas para esse tipo de questão.

Isso tudo influencia no tipo de dados que você precisa anotar e priorizar na hora de estudar.

5. Prestar atenção no que foi falado

Não adianta nada fazer anotações cujo conteúdo não corresponde às aulas ou vídeos assistidos. É preciso prestar muita atenção na matéria ensinada para que o que você anotou seja produtivo e te auxilie nos seus estudos.

Então, se você é uma pessoa que não consegue prestar atenção na matéria e anotá-la ao mesmo tempo, é melhor só assistir às aulas, tentar absorver o máximo de conteúdo possível na memória e, depois, escrever o que foi aprendido.

6. Trocar informações com os colegas

Quando estamos no colégio, em um cursinho para o vestibular ou até em um curso da faculdade, temos o privilégio de ter colegas que podem ser grandes aliados nos estudos. Pode ser que você tenha facilidade em determinada matéria que o seu colega do lado tenha dificuldade, e vice-versa.

Logo, é interessante que vocês troquem informações, compartilhem as suas anotações e as suas dúvidas, para que o conhecimento seja construído em conjunto. As suas anotações ficarão muito mais completas e produtivas, porque você poderá inserir dados e detalhes que já não se lembrava.

O seu colega também conseguirá complementar algumas partes da matéria que ele não havia anotado e todos sairão ganhando. Lembre-se: uma mão lava a outra na sala de aula e toda ajuda é válida na hora de estudar!

7. Personalizar as suas anotações

Crie estratégias e métodos próprios de anotar a matéria que você precisa estudar, de acordo com o seu perfil de aprendizado. A troca de informações dentro da sala de aula é importante, mas nada de copiar literalmente todas as anotações dos seus colegas ou utilizá-las para os seus estudos. Afinal de contas, o que pode ser super útil para eles, pode não servir tão bem para você.

Portanto, personalize as suas anotações de acordo com os seus gostos e preferências. Além disso, utilize estratégias e métodos que você já sabe que são válidas para você. Se você é uma pessoa que tem boa memória visual, por exemplo, pode criar tabelas, gráficos e desenhos que expressem a matéria anotada e facilitem a fixação das informações na sua mente.

8. Experimentar novas estratégias

Você nunca saberá quais são os tipos de anotações válidos para os seus estudos se não tentar! Vale todo tipo de técnica que conseguir experimentar: canetas coloridas, lápis de cor, canetas hidrográficas, post-its, fitas, rasuras, desenhos, gravuras… A sua imaginação é o limite.

Vá experimentando várias estratégias e, quando descobrir qual é a melhor para você, dedique-se a aprimorá-la. Como já falamos aqui, cada estudante tem uma maneira própria de fazer as suas anotações e estudar a matéria. Por isso, é importante que você experimente, tente novas estratégias de estudo e inove nos seus antigos métodos!

E então, gostou das nossas dicas? Conhece ou utiliza algum outro formato de anotação? Compartilhe com a gente as suas dicas e sugestões e ajude os outros leitores a criarem anotações produtivas!