Cada vez mais, os jovens brasileiros pensam em como abrir seu próprio negócio e prova disso é a pesquisa “Empreendedorismo nas universidades brasileiras”. De acordo com ela, um quarto (25,4%) dos 5 mil estudantes universitários entrevistados pensam em abrir sua própria empresa no ano da pesquisa (2014) ou nos períodos seguintes.

Essa possibilidade vem aumentando muito no país por meio de uma geração criativa, bombardeada de informações de todos os tipos, inclusive de empreendimento. E são muitos os benefícios de ter o próprio negócio: trabalhar com aquilo que você sempre desejou e em horários variados conforme outras atividades, escolher a própria equipe de trabalho, desenvolver-se enquanto pessoa e profissional com diversos aprendizados e muitos outros.

Sabendo dos benefícios, quer começar seu negócio logo depois da faculdade? Fica ligado nas nossas dicas!

Capacite-se

Todo empreendedor de sucesso passou por uma capacitação adequada. Normalmente, as primeiras formas de capacitação se dão na faculdade (e em alguns casos, antes dela, a depender da área de atuação), seja por meio das aulas teóricas seja por meio dos estágios.

A certificação institucional, que dirá que você é apto a exercer determinada atividade, é um diferencial a seu favor, uma vez que ela te proporcionará se especializar no assunto de seu interesse, começar a construção da sua rede de contatos, ter credibilidade frente aos futuros clientes, dentre outras vantagens.

Já o estágio contribuirá para você desenvolver a prática da atividade, momento em que você passa a conhecer como funciona o mercado, como lidar com possíveis erros e acertos e, a partir da experiência adquirida, colocar tais questões no próprio negócio.

A capacitação não é meramente profissional nessas duas experiências. Desenvolver o conhecimento teórico e prático ajuda na sua formação pessoal e isso é muito importante: no seu próprio negócio, você está no comando da empresa. Ou seja, você é o líder e aprenderá a lidar com dificuldades e com decisões.

Após a faculdade, é interessante procurar cursos na sua área que complementem o conhecimento adquirido, além de cursos de empreendedorismo. A internet também se torna uma grande aliada, uma vez que te proporciona muitos conteúdos relevantes (e, algumas vezes, gratuitos), seja por meio de cursos onlines, e-books ou outros tipos material. Além desse conhecimento, você pode experimentar trabalhar em alguma empresa do ramo por um curto período para que entenda todos os mecanismos de funcionamento da atividade.

Oriente-se com os mais experientes

Sua capacitação nunca terminará se você estiver disposto a escutar aqueles que já têm sucesso no meio em que você quer entrar. Criar e manter relacionamentos com pessoas mais experientes nos negócios te ajuda a ter novas ideias e a organizar da melhor forma os recursos da sua atividade, sejam materiais, financeiros ou humanos.

Os mentores que você deve buscar são seus professores universitários e executivos do ramo (sua inserção no mercado pelo estágio é importante também pela proximidade com eles). Extraia deles o máximo de informações pertinentes, mostre-se interessado pela atividade (melhor ainda se for uma atividade comum a ele) e torne-o um potencial parceiro. Muitos deles darão dicas essenciais para que você desenvolva seu negócio da melhor maneira, podendo inclusive disponibilizar suas redes de contatos.

Execute e empreenda

De nada adianta ter mil planos de atuação e expectativas sobre seu negócio se você não tirar as ideias do papel. A falta de experiência só consegue ser sanada com a prática, e os erros podem acontecer — e é normal que aconteçam com pessoas com pouca experiência —, mas eles não podem te paralisar.

David Pares, CEO do AvalDoc, ensina: “Se você não começar agora que saiu da faculdade, a chance de empreender depois será menor, as responsabilidades maiores e o tempo menor. O melhor tipo de experiência para isso é a prática”.

Rodrigo Cartacho, CEO da Sympla, acredita em recomeços após derrotas: “Sabemos que ideia não é nada sem execução. Mas também é importante executar rápido para validar se sua ideia realmente funciona”.

Exerça sua capacidade de planejamento, criando planos de ações e prioridades, monitore os resultados (e, se necessário, reveja-os e corrija-os) e avalie as melhores alternativas para alcançar seus objetivos. Tenha iniciativa para buscar constantemente oportunidades de negócios. Mãos à obra!

Visite empresas

Nada melhor pra entender o mercado em que você quer ingressar do que aprender com quem já está nele. Procure empresas do seu ramo de atividades para se informar melhor a respeito dos métodos que dão certo na gestão do negócio, das preferências dos clientes e de qualquer outro assunto pertinente a seu exercício. Torne-se familiarizado com as ações para que a margem de acerto aumente e esteja sempre atento aos elementos presentes nos cases de sucessos dessas empresas.

Seja fazendo estágio ou trabalhando temporariamente em uma empresa do ramo, não deixe de explorar essa dica! Ela não ajudará só você, mas toda a equipe de trabalho, além de contribuir para sua rede de contatos.

Seja curioso: pergunte e aprenda

Ter uma boa ideia é o primeiro passo no empreendimento. Mas sua ideia precisa ter o mínimo de embasamento para que tenha probabilidade de sucesso. Estude bastante sobre vários assuntos de seu interesse, não necessariamente ligados diretamente à atividade que quer exercer, e discuta-os com sua equipe de trabalho e possíveis sócios. O despertamento por meio de outros estímulos pode ser essencial ao inserir um projeto inovador no mercado.

Mantenha-se atualizado sobre as novas tendências e tecnologias que envolvem seu mercado: participar de eventos e feiras relacionados à sua atividade é uma ótima fonte de informação e atualização, porque permite que você entre em contato com pessoas que podem ensiná-lo a desenvolver seu negócio.

Invista em marketing

Está pra nascer uma empresa de sucesso que não tenha investido em marketing! Após estabelecer tudo aquilo referente à atividade principal (modelo de negócios, planos e ações, equipe), é hora de pensar na identidade da empresa e nas ações de marketing. Seja por meio do marketing tradicional ou pelos novos meios, jamais exclua o marketing do seu orçamento!

Mate Pencz, cofundador da Printi (plataforma de serviços de impressão via internet), recomenda: “Você pode começar com ações de marketing digital, que envolvem sites de busca e redes sociais e possuem um custo inicial inferior ao das mídias tradicionais. Dedique um tempo para preparar o site, mantenha-o sempre atualizado e deixe os contatos sempre visíveis”.

Não se esqueça da sua rede de contatos

Desde a faculdade, você pode começar a investir em sua rede de contatos. Professores e colegas podem ser grandes parceiros na hora de desenvolver seu negócio! Não se esqueça dos chefes que conheceu nos estágios e nos possíveis trabalhos.

Fique atento também a potenciais clientes. Lembre-se que nem só nos ambientes de trabalho e de estudo sua rede pode ser ampliada: os ambientes informais permitem maior aproximação e ajudam a formar bons contatos.

Agora, você já tem as melhores dicas sobre como abrir seu próprio negócio logo depois da faculdade. Tem alguma experiência que queira compartilhar conosco? Comente: conta pra gente nos comentários.