Com a proximidade das datas das provas de vestibular das principais faculdades Brasil afora, muitos vestibulandos entram em desespero, em função da imensa quantidade de conteúdo a ser revisado. E não é para menos: devido à grande quantidade de matérias, é quase impossível fixar tudo o que foi estudado durante o ano. 

Mas não se desespere! Existe uma ferramenta muito eficaz, simples e divertida, que pode ajudar você a memorizar informações importantes em longo prazo: os mapas mentais. Eles podem ser aplicados em diversas áreas de sua vida — até mesmo, para fazer uma lista de compras no supermercado! — mas, principalmente, podem dar aquela turbinada nos seus estudos e maximizar a sua aprendizagem.

Quer saber como fazer mapas mentais épicos para otimizar seus estudos? Então, não deixe de conferir nosso artigo de hoje!

Afinal, o que são mapas mentais?

A técnica de construção e de elaboração de mapas mentais foi criada na década de 1970 pelo inglês Tony Buzan. Basicamente, essa ferramenta nada mais é do que uma maneira de organizar todas as ideias e tópicos sobre determinado assunto em um diagrama desenhado e colorido em uma folha de papel.

Os mapas mentais se destacam de outras metodologias de aprendizagem por possuírem uma característica que os faz únicos: construir um mapa mental estimula, ao mesmo tempo, os dois lados do cérebro. O lado esquerdo, mais relacionado ao raciocínio lógico e matemático, se encarrega da escolha das palavras-chave e da hierarquização das informações. Já o lado direito, mais artístico e subjetivo, fica responsável pela junção dos conteúdos e pela interpretação das cores e imagens. Legal, não é?

Então, resumindo, o mapa mental é uma técnica super eficiente no auxílio do processo de organização de linhas de raciocínio e de ideias, hierarquizando o pensamento e melhorando a compreensão e a elaboração mental de determinado assunto, seja ele qual for.

Quais as vantagens e em que ocasiões utilizar os mapas mentais?

Inserir essa ferramenta em suas metodologias de estudo pode lhe trazer muitos benefícios, especialmente se você é aquele tipo de pessoa que possui uma memória visual desenvolvida. Ao criar um mapa mental, você estimulará sua capacidade de condensar informações, visto que você tem um espaço limitado — a folha —, de organizar e de hierarquizar ideias.

As conexões criadas na folha ficarão gravadas em sua mente de uma maneira muito forte. Na hora da prova, ao lembrar do mapa mental que contém a informação para responder à determinada questão, você será capaz de “puxar um fio condutor” em seu cérebro, lembrando de todas as informações que você apontou.

Além disso, para quem tem a criatividade aflorada, essa técnica pode ser extremamente prazerosa, já que desenhos, cores e esquemas são super bem-vindos. Ou seja, seu momento de estudo pode se tornar um momento de diversão também.

Para quem precisa resumir grandes quantidades de conteúdo — atenção, vestibulandos! —, essa técnica é sensacional. É possível condensar conteúdos e conceitos super extensos, como Modernismo, por exemplo, em uma única folha de papel. Ela pode ser bastante útil naquela hora de organizar suas ideias e seus conceitos antes de escrever uma redação.

Como a técnica facilita a organização de ideias e de assuntos, é possível montar o “esqueleto” da redação como um mapa mental e, com isso, ter uma visão clara e geral de tudo o que você quer escrever. A partir daí, fica muito mais fácil converter todas as informações contidas no mapa mental em um texto linear e coerente.

Como fazer mapas mentais épicos?

Agora que você já se convenceu da praticidade e da funcionalidade dos mapas mentais, é hora de colocar a mão na massa e aprender como fazê-los! A primeira coisa é se munir de todos os materiais necessários: papel sem pauta (de preferência, folhas A3 ou A4) e canetas de diversas cores e espessuras. Organize também o material: textos, livros, apostilas, sobre o assunto do qual o mapa mental vai tratar.

Leia os textos, reflita e selecione palavras-chave e conceitos referentes ao conteúdo estudado. A partir daí, comece a criar seu mapa mental. Escreva o título do assunto — capitanias hereditárias, por exemplo — no centro da folha de papel. Escolha o primeiro tópico relacionado ao tema e destaque-o no papel. Vá criando subtópicos, de acordo com os assuntos dentro do tópico inicial. Quando acabar, escolha outra palavra-chave e crie o próximo tópico e seus respectivos subtópicos. E assim sucessivamente, até exaurir todas as informações sobre o conteúdo.

Nunca se esqueça de colorir bastante o seu mapa mental. Isso estimula seu cérebro e aumenta sua capacidade de retenção do conteúdo que está sendo revisado. Se você quiser, pode criar seu próprio esquema de cores para organizar seus mapas. Por exemplo, você pode eleger uma cor específica para adicionar comentários e reflexões de sua autoria. Assim, cada vez que olhar para um mapa e ver algo escrito naquela cor, saberá que aquela é uma conclusão sua.

Utilizar imagens e desenhos também é uma excelente maneira de incrementar seus mapas mentais e, consequentemente, seu aprendizado. Solte a sua imaginação! E lembre-se: sempre escreva em letra de forma e em tamanho grande, para que você possa visualizar sem esforço tudo o que escreveu.

Se o conteúdo for extenso demais, experimente abreviar frases ou palavras (mas sem fazer com que percam o sentido, hein?). Se, mesmo assim, você achar que é impossível condensar todo o conteúdo em uma única folha, “quebre” os temas daquele assunto conforme sua importância e monte dois ou mais mapas sobre ele.

No início, você pode ter dificuldades e achar um pouco trabalhoso montar mapas mentais. Mas não desista! Com o tempo e uma boa dose de treinos, você logo ficará especialista no assunto! E, de quebra, melhorará sua capacidade de compreensão de todo e qualquer assunto e aprenderá a hierarquizar seu pensamento, características imprescindíveis para quem deseja se sair bem no vestibular ou em qualquer outro processo seletivo.

Criar mapas mentais é, inclusive, a técnica ideal para estudar e revisar os conteúdos que serão abordados no vestibular. O que você está esperando para colocar em prática o que aprendeu nesse post e arrasar na prova?

E ai, gostou de aprender como fazer mapas mentais? Você já utilizou essa técnica alguma vez durante seus estudos? Compartilhe suas experiências com a gente nos comentários, contando como você aplica a técnica, quais as suas maiores dificuldades e se possui alguma dúvida ou questionamento.