Entrar em um curso superior e conquistar um diploma, que assegure uma melhor capacidade de desempenho profissional e social, felizmente se tornou um objetivo que pode ser alcançado por muitos brasileiros.

No entanto, diante dos inúmeros gastos que normalmente fazem parte do cotidiano das famílias — alimentação, prestações, contas etc. — e dos altos custos que representam as mensalidades e as demais despesas que a vida de estudante traz, nem todo mundo sabe como pagar a faculdade.

Neste artigo, vamos apresentar alternativas possíveis para que você possa cumprir suas metas acadêmicas e garantir o seu diploma. Confira!

Fies

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa do Governo Federal gerenciado pelo Ministério da Educação (MEC) que se destina a financiar a graduação na educação superior em instituições de ensino não gratuitas. Para solicitar o financiamento, o estudante deve estar matriculado em um curso que tenha avaliação positiva do MEC.

A taxa de juros do financiamento é de 6,5% ao ano, com período de carência de 18 meses. O prazo para pagamento é de três vezes o período regular de duração do curso mais doze meses.

O financiamento pode ser solicitado durante todo o ano pelo site do Fies e pode chegar a 100% do valor da mensalidade.

ProUni

O acesso ao Programa Universidade para Todos (ProUni), também do Governo Federal, é feito por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O programa beneficia alunos de baixa renda com bolsas de estudos integrais, para estudantes com renda familiar de até um salário-mínimo, e parciais de 50% para quem tem renda familiar de até três salários-mínimos e está disponível para cursos em universidades e faculdades privadas brasileiras para quem ainda não tem curso superior.

De acordo com o site do programa, para ter acesso ao ProUni sem requisito de renda, é preciso cumprir pelo menos uma das seguintes condições:

  • ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública;

  • ter cursado o ensino médio completo em escola da rede particular, na condição de bolsista integral da própria escola;

  • ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em escola da rede particular, na condição de bolsista integral da própria escola privada;

  • ser pessoa com deficiência;

  • ser professor da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica, integrante de quadro de pessoal permanente de instituição pública e concorrer a bolsas exclusivamente nos cursos de licenciatura.

Financiamento estudantil privado

Com condições variáveis, atualmente algumas instituições financeiras disponibilizam o crédito estudantil para quem precisa pagar a faculdade e não se encaixa nos pré-requisitos do ProUni ou do Fies. Os recursos desta modalidade de financiamento podem ser utilizados, inclusive, para quitação de mensalidades em atraso.

Descontos por pontualidade

Pagar a mensalidade em dia pode representar um desconto de até 10% no valor da parcela, o que significa um auxílio considerável para quem busca custear os ensinos mais facilmente. Este tipo de desconto procura valorizar a responsabilidade que os bons pagadores assumem e cumprem.

Descontos por assiduidade

Da mesma forma, os alunos assíduos podem receber descontos de reconhecimento pela presença contínua, algo que é bastante reconhecido pelas instituições de ensino. Esta é uma maneira de valorizar a importância que os alunos dão às disciplinas.

Bolsas por mérito

Os primeiros colocados nos processos seletivos podem receber bolsas integrais ou parciais das instituições de ensino. Considerando que todo bom aluno merece ser destacado, esta é uma forma de estimular a preparação do estudante que busca ingressar em um curso de graduação.

Poupança

A tradicional Caderneta de Poupança é um meio eficiente para que os alunos ou seus familiares acumulem o dinheiro necessário para arcar com todas as mensalidades durante o curso.

No entanto, para se beneficiar desta modalidade, é preciso que seja feito um planejamento antecipado, que preveja o quanto precisará ser poupado mensalmente e o período que essa poupança precisa ser feita para que todo o montante necessário para o pagamento do curso superior seja acumulado. Famílias que lançam mão desta estratégia com bastante antecedência, quando os filhos são ainda pequenos, obtêm maiores vantagens dela.

Também é preciso ter bastante disciplina, o que é fundamental para não ceder à tentação de desviar aquele recurso para outras finalidades.

Títulos de capitalização e outros investimentos

Com o rendimento da Caderneta de Poupança em baixa, é uma boa ideia pensar nos títulos de capitalização e outras formas de investimento de longo prazo que possam servir para acumular o dinheiro necessário para financiar um curso superior.

Com cuidados semelhantes ao de quem lança mão desses investimentos para obter uma complementação da aposentadoria e similar ao que precisa ser feito com a Poupança, os investimentos de longo prazo pedem antecedência e um planejamento adequado, que preveja o quanto precisará ser investido durante determinado período para que o recurso final ou o rendimento dele se torne suficiente para arcar com os valores das mensalidades.

Também é preciso ter atenção para a liquidez do investimento, verificando se os prazos em que eles estarão disponíveis para saque são compatíveis com as necessidades de pagamento das mensalidades.

Recursos de amigos e da família

Recorrer a empréstimos ou a doações de amigos e de familiares que tenham condições de contribuir para a formação do aluno é um recurso muito utilizado. Muitas vezes, os empréstimos são feitos a taxa de juros muito mais atraentes do que as oferecidas pelo mercado.

Em outras situações nas quais o grau de relacionamento permite, amigos ou membros da família, mesmo os mais distantes, podem se dispor a doar montantes maiores ou menores, de acordo com a disponibilidade dos recursos que tenham, para financiar as mensalidades. Levando em conta a finalidade nobre para a qual o dinheiro será destinado, o interessado não deve ficar constrangido em buscar essa alternativa, se houver a possibilidade.

Bolsas concedidas por empregadores

Muitas organizações interessadas em melhorar o nível do próprio pessoal financiam os estudos daqueles que mais se destacam, independentemente da função que cumprem. Geralmente, elas pagam cursos de idiomas, treinamentos e cursos de capacitação. Contudo, existem aquelas que assumem o pagamento total ou parcial de um curso superior, de acordo com a capacidade, o interesse, o desempenho e a dedicação do funcionário.

Mesmo que a empresa em que a pessoa trabalha não possua essa política, o profissional tendo consciência do valor que possui, nada o impede de conversar com o empregador sobre esta possibilidade.

Combinação das várias alternativas

Por fim, você pode pensar em combinar as várias alternativas acima, de acordo com as suas possibilidades e com as disponibilidades com as quais elas se apresentem, a fim de obter o valor necessário para pagar a faculdade. Faça isso sempre tendo em mente que a obtenção de um título de graduação justifica bastante os esforços que você precisará fazer, inclusive os financeiros.

Se você ainda tem alguma dúvida sobre o que deve fazer para pagar a sua faculdade, fale conosco. O espaço para comentários é todo seu!