Você se vê morando sozinho? Acredita que está preparado para isso? Bem, se você está mudando de cidade para cursar sua universidade, essa é uma realidade que já faz parte ou provavelmente baterá à sua porta.

Sair cedo da casa dos pais pode assustar em um primeiro momento. No entanto, com um bom planejamento e organização, principalmente em relação aos estudos, aos cuidados com a casa e às finanças pessoais, dá para se virar bem vivendo sozinho.

Então, para te ajudar nessa nova e independente jornada, selecionamos 7 passos fundamentais para morar sozinho numa boa e sem maiores complicações. Acompanhe!

1. Defina os móveis e eletrodomésticos realmente necessários

Quando você chega ao novo apartamento ou casa, se o imóvel já não for mobiliado, provavelmente vai se deparar com muito espaço. Nessas horas, é bom você começar a fazer uma lista com os móveis, eletrodomésticos, utensílios e artigos para a casa.

O ideal é você organizar essa lista entre o que é básico e opcional. Mas, antes, leve em conta o espaço que você tem na casa e nos cômodos. Por exemplo, não dá para pensar em vários móveis para a cozinha se ela mal tem espaço para uma geladeira e um fogão.

Na hora de definir os itens básicos e opcionais, pense como o líder da casa e não mais como um dependente, isso vai te fazer ver as coisas de outra maneira: o videogame ou um ar condicionado não são essenciais para o começo. Em vez disso, é mais importante comprar mesa, cadeiras, cama, produtos de limpeza etc. Se for preciso, peça a ajuda dos seus pais ou de amigos que já vivem sozinhos.

2. Organize-se financeiramente

Você deve imaginar que sua vida financeira será bem mais apertada morando sozinho, não é mesmo? Gastos que antes não eram de sua responsabilidade, como água, luz, aluguel, condomínio e alimentação, passam a ser transferidos para você.

E aí vem o grande dilema: quanto devo separar do meu orçamento para isso? O ideal mesmo é, com todos os gastos básicos e extraordinários, economizar até 30% dos seus ganhos. Sabemos que é bem difícil conseguir essa meta se você estiver trabalhando e ganhando pouco. Quando for possível, uma ajudinha dos pais também é muito bem-vinda para segurar as pontas.

Você pode se organizar com suas receitas e despesas se conseguir documentá-las. Uma planilha, caderno ou aplicativo são muito úteis nessas horas para anotar todos os seus gastos e fontes de renda durante o mês.

Anote os gastos básicos, como água, aluguel, alimentação, gás, limpeza, telefone, internet etc., e os eventuais ou adiáveis, como manutenção, materiais de estudo, festas e vestuário. Calcule o quanto isso consome do seu orçamento, corte o que puder ser cortado e, assim, otimize suas receitas.

3. Faça sua lista de compras de mercado

Um dos itens das despesas que merece ser detalhado são as compras de mercado. Isso porque esse não é um hábito muito comum para os jovens que ainda vivem com os pais. Logo, é bom começar a se acostumar com os preços do arroz, do feijão, do óleo, dos legumes e verduras, entre outras coisas com as quais você pode não estar muito familiarizado.

No começo, uma ajuda de pessoas próximas será essencial para você saber o que é necessário para manter uma alimentação regular e a geladeira preenchida. Com o tempo, você já será o tipo de pessoa que vai comparar os preços naqueles folhetos dos supermercados.

4. Aprenda a cozinhar

Pouco adianta comprar os ingredientes se você não souber o que fazer com eles. Mas, para a sua sorte, aprender a cozinhar já não é tão difícil hoje em dia, principalmente se você tiver internet em sua nova casa ou apartamento.

O YouTube, o Facebook e diversos sites estão aí para ensinar todo tipo de receita, das mais básicas até os pratos gourmet. Seguir esse caminho será melhor do que se alimentar frequentemente de macarrão instantâneo ou apenas comprar quentinhas.

Isso sem contar que você vai ter algo para oferecer e impressionar os amigos e familiares que vierem te visitar; além de não ficar na mão quando chegar cansado da faculdade ou trabalho.

5. Arrume a casa frequentemente

Uma das partes mais chatas para quem está morando sozinho é a limpeza. Não tem para onde correr! Para ter uma boa qualidade de vida e de estudos, é imprescindível manter a casa organizada.

É difícil definir o melhor ritmo de arrumação, pois depende bastante do tamanho do imóvel e da bagunça acumulada. Então, encontre o que for mais adequado para você, seja semanal, quinzenal ou mensalmente. O importante é não deixar o chão grudando, as roupas acumularem em cima da cama, a poeira mudar a cor da casa ou o banheiro perder o brilho.

E é bom que você assuma essa responsabilidade. Não haverá outra pessoa na casa para cuidar disso por você e contratar alguém para fazer a limpeza pode pesar bastante em seu orçamento.

6. Forme e mantenha uma boa relação com os vizinhos

Como já ressaltamos em alguns pontos neste texto, a colaboração e a ajuda são muito úteis nessa fase de transição de moradia. Além dos pais e amigos, outro grupo muito importante são os seus vizinhos. São eles que, na prática, passarão mais tempo próximos de você. Logo, uma boa relação pode gerar bons frutos durante sua estadia solitária.

Para manter um bom convívio, não tenha vergonha de pedir ajuda quando precisar e também seja solícito com eles. Evite trazer muitas pessoas diferentes e estranhas, e evite, também, o consumo excessivo de bebidas, som alto ligado até a madrugada e a realização de obras sem avisá-los.

Nas urgências e nos momentos mais solitários, são eles que estarão por perto para ajudá-lo – isso, claro, se os vizinhos forem pessoas abertas para novos convívios e amizades.

7. Crie um cronograma de estudos

A organização com os horários de estudos é um dos pilares de sustentação da casa enquanto você estiver morando sozinho e cursando sua universidade. Como vimos, as obrigações aumentam demais, assim como a ocupação do seu tempo produtivo. Isso faz com que os períodos de estudos fora da faculdade sejam cada vez mais escassos.

Além do tempo dedicado à cozinha, limpeza, trabalho, compras e pagamento de contas, você precisa lidar com outro elemento que pode atrapalhar seus estudos: a liberdade. Pois é, aquilo que muitos vislumbram quando saem de casa pode ser a grande vilã contra o bom rendimento na universidade.

Quando se mora sozinho, vão aparecer inúmeras oportunidades de fazer festas, receber os amigos, os namorados e namoradas, sair e voltar na hora que bem entender e, inclusive, procrastinar dentro de casa (jogando, vendo séries, dormindo até mais tarde etc.).

É difícil controlar todas as tentações, mas você precisa ser rígido consigo mesmo. Se foi viver sozinho para estar perto da faculdade e obter um melhor desempenho, justifique essa mudança. Separe, pelo menos, meia hora, 1 hora, 2 horas ou mais por dia para melhorar a concentração nos estudos. Deixe para curtir a vida aos finais de semana para, assim, não criar barreiras ao seu crescimento acadêmico e profissional.

Morar sozinho para seguir seus estudos definitivamente é um processo intenso de amadurecimento. Se desvincular da proteção afetuosa e financeira dos pais não é tão simples quanto parece, e aquela ideia linda de liberdade nem sempre se concretiza da forma que você imaginava.

O seu principal desafio será arrumar tempo para tudo: trabalhar, cuidar da casa, fazer compras, manter uma vida social e, principalmente, estudar. Contudo, se você planejar e anotar tudo o que pretende fazer, menores serão os riscos de administrar mal tudo isso e correr desesperado de volta para a casa dos pais.

E então, percebeu como é possível ter uma vida tranquila morando sozinho? Você curtiu as dicas? Então segue nossas páginas nas redes sociais para acompanhar mais conteúdos como esse!