Você já ouviu falar de Iniciação Científica? Ela é uma oportunidade incrível para que jovens graduandos se insiram nas práticas da pesquisa científica, executando atividades de campo ou em laboratório.

Se optar por essa prática, você vai participar ativamente na construção do conhecimento que você lê nos seus livros! É uma das melhores oportunidades de desenvolvimento pessoal durante o curso superior.

A seguir, vamos explicar detalhadamente o que é, quais são as atividades realizadas e quais os benefícios de se participar de uma iniciação. Pronto?

O que é uma Iniciação Científica?

A Iniciação Científica (IC) é uma programa criado por faculdades, universidades e institutos para inserir alunos de graduação nas atividades relacionadas às pesquisas desenvolvidas no local.

É voltado para estudantes que possuem pouca ou nenhuma experiência na área da investigação científica e seu maior objetivo é desenvolver o interesse desses alunos pela pesquisa, para que se possam se tornar futuros mestrandos, doutorandos e até professores.

O aluno ficará vinculado ao projeto de pesquisa de seu professor-orientador, ainda não tendo muita liberdade para criar seu próprio projeto. Com o passar do tempo, entretanto, é comum que o estudante conquiste a confiança do orientador e passe a ter uma maior autonomia.

Ao auxiliar no desenvolvimento da pesquisa, executando, inicialmente, as tarefas mais básicas, ele entra em contato com diversos outros pesquisadores, professores e pós-graduandos que também fazem parte ou colaboram com a pesquisa.

Entre as atividades mais comuns exercidas em uma IC estão:

  • A escrita acadêmica;

  • A apresentação de resultados em eventos;

  • A sistematização de ideias e de referenciais teóricos;

  • A síntese de observações ou experiências;

  • A elaboração de relatórios.

Você poderá atuar como voluntário ou receber uma bolsa das agências de financiamento, que, geralmente, são governamentais. Essas instituições podem ser nacionais, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, ou estaduais, como as Fundações de Amparo à Pesquisa (Fapesp, Fapemig, Faperj).

Para os voluntários, normalmente, essa atividade é contabilizada na carga horária de atividades extracurriculares que todo estudante deve integralizar.

Outra oportunidade excelente para os graduandos são os programas de monitoria, no qual você atua como monitor de uma disciplina!

Como uma IC funciona?

As atividades são variáveis de acordo com a área de conhecimento. Aqui, vamos citar algumas delas:

Humanas e Sociais Aplicadas

Normalmente, envolvem muita pesquisa bibliográfica, na qual o estudante lê os textos indicados pelo orientador e elabora resenhas e fichamentos. Ao final, normalmente, ele vai sistematizar o conhecimento em um artigo científico com um tema bem delimitado, que ele mesmo vai escolher.

Algumas áreas de Humanas, como História, Ciências Sociais e Comunicação, podem contar com pesquisas em acervos e em arquivos. Na Psicologia, é possível atuar, também, em laboratórios.

Exatas e Engenharias

Na área de Exatas, o mais comum é que os alunos se insiram em algum laboratório, “colocando a mão na massa”. Eles vão aprender a operar equipamentos de acordo com protocolos científicos a fim de obter resultados mais confiáveis.

Eles deverão também interpretar os dados fornecidos para verificar se as hipóteses da sua pesquisa estão corretos ou não. Para áreas como Física Teórica e Matemática, o estudante pode nunca entrar em um laboratório, ele vai elaborar cálculos e revisar literatura científica.

Biológicas e Ciências da Saúde

A maior parte das iniciações científicas dessas áreas envolve atividades de campo ou em laboratório.

As atividades em campo podem incluir visitas em:

  • Biomas intactos ou ameaçados, para estudantes de Ecologia, Zoologia e Botânica;

  • Hospitais e Unidades Básicas de Saúde, para investigar dados de epidemiologia, promoção à saúde e infectologia;

  • Escolas e empresas, para elaborar estudos sobre o impacto dos programas de promoção à saúde ou à sustentabilidade.

As atividades em laboratórios envolvem o uso de equipamentos de acordo com protocolos científicos e com a observação de experimentos.

Artes

Na área das Artes, as pesquisas científicas têm como objetivo mais frequente a investigação de novas técnicas e tendências artísticas. Também, é possível buscar novos tipos de materiais para serem utilizados nas instalações artísticas.

Quais são os benefícios de uma Iniciação Científica?

Crescimento pessoal

Sem dúvida, o maior ganho de uma iniciação é a oportunidade de desenvolver, com maior autonomia, diversas habilidades. Os professores costumam notar que os estudantes integrados a uma iniciação são mais interessados em aprender.

Além disso, você aguçará seu instinto científico, buscando, cada vez mais, hipóteses para interpretar dados. O conhecimento deixará de ser algo passivo e decorado para ser algo que você pode manipular e construir.

O mundo se abrirá diante dos seus olhos de investigador e uma IC certamente vai te ajudar a desenvolver as 10 características de um bom estudante universitário.

Possibilidade de desenvolver suas próprias ideias

Sabe aquela ideia maluca que você sempre teve? Ao participar de uma IC, conquistando a confiança de seu orientador, você poderá apresentá-la para ele. Se achar a proposta muito interessante, ele poderá ajudá-lo a colocá-la em prática! Isso, inclusive, ajuda bastante a  desenvolver um bom relacionamento com seus professores.

Participação em eventos científicos

Ao desenvolver uma pesquisa, você estará preparado para elaborar trabalhos e textos mais complexos que poderão ser apresentados em eventos científicos e mostras de IC. É extremamente frequente que estudantes de graduação apresentem pôsteres nos mais importantes congressos de sua área.

Assim, além de conhecer as mais novas tendências do seu campo de investigação, há a possibilidade de estabelecer um networking com diversas pessoas, o que poderá ser muito útil no momento de encontrar uma vaga no mercado de trabalho.

Inserção na pós-graduação

Para os estudantes que participaram de uma iniciação científica, fica bem mais simples entrar em programas de mestrado e de doutorado.

Esse programas normalmente exigem a apresentação de um pré-projeto de pesquisa, que pode ser muito difícil de ser feito para quem nunca entrou em uma IC. Já os que participaram, usualmente, utilizam a pesquisa que desenvolveram como pré-projeto.

Além disso, esses processos seletivos também têm alguma etapa de entrevistas e ficará muito mais tranquilo demonstrar seu interesse quando você já participou por um tempo razoável de uma IC.

Intercâmbio internacional

Muitas pesquisas científicas são desenvolvidas em colaboração com instituições de diversos locais no planeta, o que permite um intercâmbio de conhecimento. Caso você se destaque, você poderá também, futuramente na pós-graduação, desenvolver parte da sua pesquisa em alguns deles.

Ficou interessado? Então, não deixe de procurar mais informações na sua universidade. Comumente, as Pró-Reitorias e centros de pesquisa ou de graduação da sua instituição têm as informações mais completas.

Além disso, pode ser muito útil procurar diretamente os professores-pesquisadores de sua instituição. Você se interessou mais por alguma matéria ou alguma professor te cativou? Procure-o para mais informações!

Participar de uma IC é muito importante para o desenvolvimento de um estudante de graduação! Não perca essa oportunidade!

Você tem alguma dúvida ou alguma experiência para dividir? Comente aqui no nosso post!